sexta-feira, 23 de setembro de 2016

amar, amar, amar...

na escada rolante
amar, amar, amar...
o que pode uma criatura dentre outras fazer senão, amar? (Drummond)

correndo para entrar no vagão
amar, amar, amar...
o que pode uma criatura dentre outras fazer senão, amar? (Drummond)

caminhando a passos largos para não chegar atrasada
amar, amar, amar...
o que pode uma criatura dentre outras fazer senão, amar? (Drummond)

saindo do vagão da linha vermelha e indo para a plataforma da linha azul
amar, amar, amar...
o que pode uma criatura dentre outras fazer senão, amar? (Drummond)

saindo do metrô e indo em direção ao ponto do ônibus
amar, amar, amar...
o que pode uma criatura dentre outras fazer senão, amar? (Drummond)


amar, amar, amar...
o que pode uma criatura dentre outras fazer senão, amar? (Drummond)


amar, amar, amar...
o que pode uma criatura dentre outras fazer senão, amar? (Drummond)


amar, amar, amar...
o que pode uma criatura dentre outras fazer senão, amar? (Drummond)


nadia gal stabile - 23 09 2016





INÍCIO 

funda barra



na funda barra os velhos dormem no chão.
muitos passam correndo e nada enxergam.

funda barra, barra funda, roletas para trens,
escadarias para ônibus, 
chão para idosos.

o sono bate e derruba,
a velhice tromba com mundos cruéis.
os que já viveram muito, abandonam-se 
em chãos frios de rodoviárias.
muito pra suportar 
tantas fundas barras
tantas barras fundas, 
tantas sujas e brutas 
barras.

é o chão que lhes cabe neste bruto mundo.

nadia gal stabile - 23 09 2016




INÍCIO 

AMAR - DRUMMOND




Amar
Carlos Drummond de Andrade


Que pode uma criatura senão,
Entre criaturas, amar?
Amar e esquecer, amar e malamar,
Amar, desamar, amar?
Sempre, e até de olhos vidrados, amar?
Que pode, pergunto, o ser amoroso,
Sozinho, em rotação universal, senão
Rodar também, e amar?
Amar o que o mar traz à praia,
O que ele sepulta, e o que, na brisa marinha,
É sal, ou precisão de amor, ou simples ânsia?
Amar solenemente as palmas do deserto,
O que é entrega ou adoração expectante,
E amar o inóspito, o áspero,
Um vaso sem flor, um chão de ferro,
E o peito inerte, e a rua vista em sonho,
E uma ave de rapina.
Este o nosso destino: Amor sem conta,
Distribuído pelas coisas pérfidas ou nulas,
Doação ilimitada a uma completa ingratidão,
E na concha vazia do amor à procura medrosa,
Paciente, de mais e mais amor.
Amar a nossa falta mesma de amor,
E na secura nossa, amar a água implícita,
E o beijo tácito, e a sede infinita.

sábado, 17 de setembro de 2016

*iconografia das redes sociais 3 - #diretasjá e #LoiTravail








achados incidentais no google imagens

*links no final





1 século



em 1 século, 4 gerações e uma anterior a todas, a de meus avôs.
1 século meu pai faria na próxima segunda feira, junto com este blog que faz 8 anos.
dançou muito nos bailes da Mocidade Paulista, conheceu uma paixão que passou,
casou-se com outra paixão que conheceu num bonde camarão em direção ao centro da cidade de São Paulo...esta outra paixão, minha mãe.
de lá pra cá 19 outras pessoas surgiram desta união, filhos, netos...bisnetos... e ainda poderão chegar outros bisnetos!
será que meu avô napolitano, que tendo casado depois de seus 40 anos sonharia  ter tantos descendentes? e sem contar com os  outros filhos... ai somam-se muitos mais!
a vida é algo doido, num dia meu pai estava lá no Mercado Municipal de São Paulo descarregando laranjas para a banca de seu tio, em outro momento andando de bonde, e eis que repentinamente, numa fração de segundo, cruza com minha mãe no mesmo bonde camarão, e a vida recomeça...
o que seria deste mundo sem as paixões? o que seria do mundo sem os bondes, sem os trens?
trens que lembram-me este meu avô napolitano, pai do meu pai...
lembro de fotos antigas tiradas no Viaduto do Chá, meu pai todo elegante de terno e de chapéu andando com meu tio ao lado, os ternos eram de linho, as moças nunca iam para o centro de São Paulo, sem meias de nylon e chapéus! eram outros tempos,tempos em que as pessoas tinham muito mais dignidade, muito mais caráter, muito mais ética! hoje as pessoas não podem ter nem educação, a cidade cresceu demais, ficou hiper populosa, a globalização demoliu tudo, e inclusive as pessoas!
meu pai indignava-se com a falta de solidariedade de uma tal tia, irmã da mãe dele, família de calabreses, o ressentimento de meu pai o acompanhou por toda a vida, ressentimentos custam a desaparecer quando se tem senso de justiça aguçado demais.
este século de meu pai completa-se  dia 19 de setembro próximo, e eu ficarei dois, 3 , 4 séculos, relembrando ou sentindo as ideias, os relatos, os princípios que meu pai me passou e por mais defeitos que ele possa ter tido, ele foi o cara que quis que eu nascesse, não sei  dizer muito bem porque ele quis isto, mas cá estou em meu 9º ano de blogueira e desenhista digital, oitavo deste blog...e ainda muitas coisas pra resolver.

nadia gal stabile - 17 09 2016




segunda-feira, 12 de setembro de 2016

...e sonhos não envelhecem - Clube da Esquina 2 - por Lô Borges e Sanuel Rosa



https://www.youtube.com/watch?v=ouzgL9IpOCM



Enviado em 12 de mar de 2010

Videoclip of "Clube da Esquina nº 2" 
(Lô Borges / Milton Nascimento / Márcio Borges)

Special guest: Samuel Rosa (Skank)
From DVD "Intimidade Lô Borges" (Canal Brasil - Som Livre)
Recorded live @ Acustico Studios, BH (2008)
Directed by Darcy Burger


INÍCIO 

sábado, 3 de setembro de 2016

"Competição ou Apoio Mútuo: Darwin X Kropotkin"

Palestra " Competição ou Apoio Mútuo: Darwin X Kropotkin" com  Amir  El HáKim, geógrafo, professor da Unesp" - 

10/09/2016, sábado, 16h


http://www.ccssp.com.br/ccs/index.html

https://www.facebook.com/ccssp33



INÍCIO 

dissidência, resistência, desistência...o que cada um enxerga e o que cada um faz





não via mais um rio o tietê não mais existia pensou em banheiros secos como aqueles que a permacultura usa...usa na zona rural mas aqui na cidade não daria para ser uma dissidente do uso das tubulações de esgoto que desaguam no rio tietê ou no rio pinheiros ou no rio tamanduatei desistir de evacuar ou mijar seria algo impossível lembrou-se da fossa negra da casa em que morara em sua adolescência fossa negra que coisa terrível mas talvez bem menos terrível do que ter de ver rios mortos
viver numa cidade grande como são paulo nunca a faria uma resistente  ou uma dissidente de tantos absurdos humanos ser desistente já era desistira de pessoas e coisas sem valor em sua vida mesmo sabendo que tudo tem seu valor negativa ou positivamente
hoje  escreve no blog sobre o que cada um enxerga e faz cada um enxerga o que quer enxergar depende da sazonalidade da vida do contexto do ânimo do foco
desistir é algo intrigante você desiste hoje e no futuro tenta voltar atrás mas quase sempre não dá vira outra coisa vira o que a vida quer que vire e ai a gente tenta enxergar o que nem existe mais

nadia gal stabile - 03 09 2016

*sem vírgulas nem pontos  sem maiúsculas e sem nada.



MOVIMENTO NEGRO UNIFICADO - GAMA: PRESENTE!

http://mnurio.blogspot.com.br/2016/09/gama-presente.html

3 de set de 2016


GAMA: PRESENTE!!!



É com pesar que o MNU/RJ comunica a passagem para o Orun de seu grande companheiro de luta incansável da luta pela construção de um Projeto Político do Povo Negro, Mário Gama. Esta é a nossa homenagem... 


Sua militância representou para nós momentos de grande aprendizado.

https://www.youtube.com/watch?v=mduuIvLLL3A



INÍCIO 

quinta-feira, 1 de setembro de 2016

raízes do fascismo







*(comecei a escrever isto em meu mural do facebook, e continuo aqui)
fascistas sempre partem pra ignorância, eles nunca desistem de serem mauzinhos, regozijam-se em serem cruéis, divertem-se com as desgraças alheias, discriminam a todos que não massageiam seus podres egos, suas megalomanias quase os engolem, mas eles nunca desistem de vomitar suas infelicidades , suas incompetências, suas inferioridades medíocres nas cabeças de quem nunca lhes fez mal algum!... talvez eu continue isto no blog Sarau para todos ... boa tarde, Nadia Stabile

---------------------------------------------------------------------------------------------------
os murais e os amigos das redes sociais, quase sempre podem cooperar com a gente pra que possamos expressar coisas que talvez, só nesta interação constante, poderíamos fazer vir a tona, sei da enorme ajuda que estas pessoas amigáveis podem dar-me, e também aquelas que às vezes invadiam (ou ainda invadem) meu mural pra escrever impropérios, as reconheço também como instrumentos que me fazem relembrar ou sacar certas coisas muito importantes pra que eu continue caminhando.
escrever sobre o fascismo é uma coisa doida, porque me parece que quase ninguém escapa de sofrer muito com esta praga da humanidade.
por vezes o conhecemos muito intimamente, as mulheres principalmente o conhecem muito mais de perto, porque o machismo, a misoginia, o sexismo neste mundo patriarcal, as atingem demais,  e quase sempre dentro de suas próprias casas, ou no trabalho.
ser moralista  a respeito desta questão terrível, é considerar que o fascismo habita só alguns, ou que só aqueles muito contaminados por ele é que são os piores, não, esta praga tem alto poder contaminante, ela atinge a todos, lá no fundo de todos os humanos há as raizes desta doença, desta coisa monstruosa que me parece cresce a cada vez que viramos a cara para nossas capacidades, e deixamos morrer coisas em nós que nunca poderiam morrer... e ai as raízes do fascismo vão encontrando caminhos, brechas  que podem nos fazer injustos, medíocres, cruéis com seja lá quem for!
presenciar o fascismo com força total, em pessoas próximas da gente, é talvez uma das maiores infelicidades desta vida! o que fazer? quem sabe se a gente começar com força total a  observarmo-nos, a não nos esquecermos do que temos que fazer, a abrirmos nossos ouvidos para tudo...e ter muita vontade de ser humano...cada um nasce num contexto, numa família, num astral que pode ou não facilitar as coisas, outros tem muito menos sorte, e o contexto os destrói, são uns pobres coitados...que vivem pra infernizar os alheios.

nadia gal stabile - 01 09 2016 



terça-feira, 30 de agosto de 2016

ARTISTAS E INTELECTUAIS PEDEM RESPEITO AO VOTO POPULAR


http://carosamigos.com.br/index.php/cotidiano/7707-artistas-e-intelectuais-brasileiros-pedem-respeito-ao-voto-popular

 "Presidenta Dilma Rousseff não cometeu crime. Por isso, seu afastamento é claramente uma manobra política para tomada de poder sem a aprovação das urnas", diz a mensagem


CARLA PIRES - DO CANAL DO AMIGO ANTÔNIO BOCAIÚVA


*link do canal de Antônio Bocaiúva:
https://www.youtube.com/channel/UCib8dA0gqWsM9Kp4ChrySZw
 
DEIXA QUE EU DÊ UMA FLOR - CARLA PIRES

https://www.youtube.com/watch?v=PW4CYcexUNg




INÍCIO 

CONCEIÇÃO EVARISTO E SEU LIVRO "OLHOS D'ÁGUA"




Conceição Evaristo conquista Prêmio Jabuti
A escritora e doutora em Literatura Comparada, Conceição Evaristo, com Olhos D'água, seu mais recente livro, conquista o Prêmio Jabuti, na categoria de Contos e Crônicas.(...) *ler na íntegra em:
http://nossaescrevivencia.blogspot.com.br/2015/12/conceicao-evaristo-conquista-premio_42.html

http://www.pallaseditora.com.br/produto/Olhos_d_agua/278/

Olhos d água

Em Olhos d’água Conceição Evaristo ajusta o foco de seu interesse na população afro-brasileira abordando, sem meias palavras, a pobreza e a violência urbana que a acometem.
Sem sentimentalismos, mas sempre incorporando a tessitura poética à ficção, seus contos apresentam uma significativa galeria de mulheres: Ana Davenga, a mendiga Duzu-Querença, Natalina, Luamanda, Cida, a menina Zaíta. Ou serão todas a mesma mulher, captada e recriada no caleidoscópio da literatura em variados instantâneos da vida?Elas diferem em idade e em conjunturas de experiências, mas compartilham da mesma vida de ferro, equilibrando-se na “frágil vara” que, lemos no conto “O Cooper de Cida”, é a “corda bamba do tempo”.
Em Olhos d’água estão presentes mães, muitas mães. E também filhas, avós, amantes, homens e mulheres – todos evocados em seus vínculos e dilemas sociais, sexuais, existenciais, numa pluralidade e vulnerabilidade que constituem a humana condição. Sem quaisquer idealizações, são aqui recriadas com firmeza e talento as duras condições enfrentadas pela comunidade afro-brasileira.
Conceição Evaristo é mestra em Literatura Brasileira pela PUC-Rio, e doutora em Literatura Comparada pela Universidade Federal Fluminense. Suas obras, em especial o romance Ponciá Vicêncio, de 2003, abordam temas como a discriminação racial de gênero e de classe. A obra foi traduzida para o inglês e publicada nos Estados Unidos em 2007.

Monkey Jhayam

Monkey Jhayam

https://www.facebook.com/rankingjhayam/

https://monkeyjhayam.wordpress.com/





MonkeyJhayam & Qg Imperial - "Nascente" 2014 - ALBUM COMPLETO

https://www.youtube.com/watch?v=PiQ0xNGSFvE



segunda-feira, 29 de agosto de 2016

O discurso histórico de Dilma no Senado




segunda-feira, 29 de agosto de 2016


O discurso histórico de Dilma no Senado



Por Altamiro Borges

Sem se intimidar diante dos seus algozes - com a mesma altivez que enfrentou os generais no tribunal de exceção da ditadura militar -, a presidenta Dilma Rousseff apresentou a sua defesa na sessão do Senado desta segunda-feira (29). "Coração valente", ela encarou os senadores: "Diante das acusações que contra mim são dirigidas, não posso deixar de sentir novamente o gosto amargo da injustiça e do arbítrio. Mas como no passado, resisto. Não esperem de mim o obsequioso silêncio dos covardes". Ao falar sobre o êxito das Olimpíadas no Brasil, ela chorou. Dilma também criticou o papel nefasto da mídia no golpe. Vale conferir a íntegra do seu discurso, que entrará para a história:

*****

Excelentíssimo Senhor Presidente do Supremo Tribunal Federal Ricardo Lewandowski
Excelentíssimo Senhor Presidente do Senado Federal Renan Calheiros,
Excelentíssimas Senhoras Senadoras e Excelentíssimos Senhores Senadores,
Cidadãs e Cidadãos de meu amado Brasil,

No dia 1° de janeiro de 2015 assumi meu segundo mandato à Presidência da República Federativa do Brasil. Fui eleita por mais de 54 milhões de votos.
Na minha posse, assumi o compromisso de manter, defender e cumprir a Constituição, bem como o de observar as leis, promover o bem geral do povo brasileiro, sustentar a união, a integridade e a independência do Brasil.

Ao exercer a Presidência da República respeitei fielmente o compromisso que assumi perante a nação e aos que me elegeram. E me orgulho disso. Sempre acreditei na democracia e no Estado de direito, e sempre vi na Constituição de 1988 uma das grandes conquistas do nosso povo.
Jamais atentaria contra o que acredito ou praticaria atos contrários aos interesses daqueles que me elegeram.
Nesta jornada para me defender do impeachment me aproximei mais do povo, tive oportunidade de ouvir seu reconhecimento, de receber seu carinho. Ouvi também críticas duras ao meu governo, a erros que foram cometidos e a medidas e políticas que não foram adotadas. Acolho essas críticas com humildade.
Até porque, como todos, tenho defeitos e cometo erros.
Entre os meus defeitos não está a deslealdade e a covardia. Não traio os compromissos que assumo, os princípios que defendo ou os que lutam ao meu lado. Na luta contra a ditadura, recebi no meu corpo as marcas da tortura. Amarguei por anos o sofrimento da prisão. Vi companheiros e companheiras sendo violentados, e até assassinados.
Na época, eu era muito jovem. Tinha muito a esperar da vida. Tinha medo da morte, das sequelas da tortura no meu corpo e na minha alma. Mas não cedi. Resisti. Resisti à tempestade de terror que começava a me engolir, na escuridão dos tempos amargos em que o país vivia. Não mudei de lado. Apesar de receber o peso da injustiça nos meus ombros, continuei lutando pela democracia.
Dediquei todos esses anos da minha vida à luta por uma sociedade sem ódios e intolerância. Lutei por uma sociedade livre de preconceitos e de discriminações. Lutei por uma sociedade onde não houvesse miséria ou excluídos. Lutei por um Brasil soberano, mais igual e onde houvesse justiça.
Disso tenho orgulho. Quem acredita, luta.
Aos quase setenta anos de idade, não seria agora, após ser mãe e avó, que abdicaria dos princípios que sempre me guiaram.
Exercendo a Presidência da República tenho honrado o compromisso com o meu país, com a Democracia, com o Estado de Direito. Tenho sido intransigente na defesa da honestidade na gestão da coisa pública.
Por isso, diante das acusações que contra mim são dirigidas neste processo, não posso deixar de sentir, na boca, novamente, o gosto áspero e amargo da injustiça e do arbítrio.
E por isso, como no passado, resisto.
Não esperem de mim o obsequioso silêncio dos covardes. No passado, com as armas, e hoje, com a retórica jurídica, pretendem novamente atentar contra a democracia e contra o Estado do Direito.(continua)

é...com a bunda exposta na janela...



é, pois é, quantas  vezes fecharemos os olhos
guardaremos os gritos
deixaremos de nos sentir humanos?
é...
se o planeta está exaurido e não temos mais verdadeiros alimentos
como tinham nossos avôs, bisavôs, tataravôs, deixamos pra lá,
é...
nós "não somos" o planeta e o que interessa pra minoria informada se a maior parte dos terráqueos nem tem uma refeição diária, ou se a água que bebem nem pode ser chamada de água!
é...
que que importa se outros políticos forem eleitos e mais uma vez o povo for roubado, desrespeitado, massacrado?
é...
o que importa aos que tem vida boa se os filhos dos pobres ficam sem escola ou sem merenda, porque foi roubada por uma máfia, que a maioria elegeu?
é, é, é, é, é... 
a gente tem cara de panaca e jeito de babaca, sim, Gonzaguinha!
é! é! é!...
o Brasil elegeu uma presidenta, a primeira mulher presidente, Gonzaguinha!
e olhe no que deu?
a máfia machista, sexista, corrupta, patriarcal, mafiosa, resolveu massacrar a mártir em praça pública, Gonzaguinha!
é! é! é!...
que grande desserviço a evolução! e ainda os argumentos para o impedimento, opa...para o golpe...todos furados, porque a corrupção sempre existiu, e a incapacidade pra governar, idem!
é!...
continuaremos até quando Com a bunda exposta na janela?

nadia gal stabile - 29 08 16




 
É
Gonzaguinha
https://www.youtube.com/watch?v=Fwzc9CiyzqQ

É
A gente quer valer o nosso amor
A gente quer valer nosso suor
A gente quer valer o nosso humor
A gente quer do bom e do melhor...

A gente quer carinho e atenção
A gente quer calor no coração
A gente quer suar, mas de prazer
A gente quer é ter muita saúde
A gente quer viver a liberdade
A gente quer viver felicidade...

É!
A gente não tem cara de panaca
A gente não tem jeito de babaca
A gente não está
Com a bunda exposta na janela
Prá passar a mão nela...

É!
A gente quer viver pleno direito
A gente quer viver todo respeito
A gente quer viver uma nação
A gente quer é ser um cidadão
A gente quer viver uma nação...

É! É! É! É! É! É! É!...

É!
A gente quer valer o nosso amor
A gente quer valer nosso suor
A gente quer valer o nosso humor
A gente quer do bom e do melhor...

A gente quer carinho e atenção
A gente quer calor no coração
A gente quer suar, mas de prazer
A gente quer é ter muita saúde
A gente quer viver a liberdade
A gente quer viver felicidade...

É!
A gente não tem cara de panaca
A gente não tem jeito de babaca
A gente não está
Com a bunda exposta na janela
Prá passar a mão nela...

É!
A gente quer viver pleno direito
A gente quer viver todo respeito
A gente quer viver uma nação
A gente quer é ser um cidadão
A gente quer viver uma nação
A gente quer é ser um cidadão
A gente quer viver uma nação
A gente quer é ser um cidadão
A gente quer viver uma nação...





INÍCIO 

domingo, 28 de agosto de 2016

NeuroBanco - Banco de desenvolvimento comunitário

http://www.neurobanco.com.br/


NEUROBANCO

O Banco que investe em pessoas!

O NeuroBanco é diferente. Foi financiado exclusivamente por Capital Humano: feito por pessoas, para as pessoas.
Espaço colaborativo da Finança Solidária e das Finanças Sociais. Conheça o portfólio de produtos e serviços financeiros do NeuroBanco e venha crescer com a gente!


Sobre o NeuroBanco

Quem somos

O NeuroBanco é um banco comunitário orientado para investimento de impacto em 3 eixos: Economia Solidária, Finanças Sociais e Economia Criativa.

Como surgiu

Gilmar escancarou: o Supremo sempre soube dos abusos

Ribamar Fonseca - Jornalista e escritor

https://www.brasil247.com/pt/colunistas/ribamarfonseca/251871/Gilmar-escancarou-o-Supremo-sempre--soube-dos-abusos.htm


De repente, depois de mais de dois anos de vazamentos seletivos rotineiros da Operação Lava-Jato, que destruíram a reputação de muita gente, o Procurador Geral da República, Rodrigo Janot, descobriu que os mesmos são ilegais e, por isso, suspendeu a negociação para a delação premiada do empresário Léo Pinheiro, da OAS, cujos trechos foram antecipados pela revista "Veja". Até então ele via com indiferença e até – quem sabe? – secreta alegria, os vazamentos que incriminavam petistas e pessoas ligadas a Lula e Dilma. Nunca se manifestou, nem em sonhos, contra aqueles vazamentos que, escandalosamente noticiados pela imprensa comprometida com o golpe, criaram na cabeça dos imbecis a ideia de que o petismo – ou como costuma rotular o guru tucano e honestíssimo FHC – o lulopetismo seria o responsável pela corrupção no país. Talvez porque tais vazamentos, também vistos complacentemente pelo Supremo, atendiam aos interesses dos que estavam conspirando para assaltar o poder através de um vergonhoso golpe, cujos beneficiários insistem em negá-lo.
A decisão de Janot, suspendendo as negociações para a delação de Leo Pinheiro, fez aumentar as suspeitas de que nela poderiam estar envolvidos o senador Aécio Neves e o ministro José Serra, além do próprio presidente interino Michel Temer. A motivação do PGR, portanto, não teria sido apenas o envolvimento do ministro Dias Toffoli, conforme a divulgação da "Veja", mas o risco que essa delação representaria para os tucanos e o presidente provisório. A dura reação do ministro Gilmar Mendes, do STF, parece confirmar essa suspeita: "É preciso colocar freios nisso, nesse tipo de conduta", ele disse, em meio à acusação não tão velada de que o vazamento teria sido feito pelos procuradores da Operação Lava-Jato, com a cumplicidade de Janot, como vingança por ter Toffoli determinado a libertação do ex-ministro Paulo Bernardo. "Como eles (procuradores) estão com o sentimento de onipresentes – destacou – decidiram fazer um acerto de contas". E complementou: "Não é de se excluir que isso esteja num contexto em que os próprios investigadores tentam induzir os delatores a darem a resposta desejada ou almejada contra pessoas que, no entendimento deles, estejam contrariando seus interesses".
Gilmar, que é uma espécie de porta-voz não oficial do Supremo Tribunal Federal, foi mais além em sua crítica contundente ao pessoal da Lava-Jato. "já estamos nos avizinhando do terreno perigoso de delírios totalitários" – ele acentuou, acrescentando que "me parece que [os procuradores da Lava Jato] estão possuídos de um tipo de teoria absolutista de combate ao crime a qualquer preço". E foi mais enfático ainda ao dizer que "quando há concentração de poderes cometem-se abusos". O ministro também abordou o projeto de lei de combate à corrupção, apresentado pelos procuradores ao Congresso, classificando os seus autores de "cretinos". Ele disse: "É aquela coisa de delírio. Veja as dez propostas que apresentaram. Uma delas diz que prova ilícita feita de boa fé deve ser validada. Quem faz uma proposta dessa não conhece nada de sistema, é um cretino absoluto. Imagina que amanhã eu posso justificar a tortura porque eu fiz de boa fé?", indagou. Essa proposta foi defendida pelos procuradores da Lava-Jato, inclusive pelo próprio juiz Sergio Moro.
Com essas contundentes declarações o ministro Gilmar Mendes deixou claro que o Supremo tem consciência dos abusos cometidos por magistrados, procuradores e pela Operação Lava-Jato, inclusive quanto à indução para que os delatores digam o que interessa aos investigadores, mas até hoje não havia se manifestado ou tomado qualquer medida para contê-los porque, obviamente, não havia interesse ou, melhor dizendo, não haviam atingido os seus calos. Na verdade, como bem observou o ex-presidente Lula, Gilmar "enfiou o dedo na ferida" da Lava-Jato, o que provocou imediata reação, de certo modo até desrespeitosa, das entidades de classe de juízes e procuradores. Eles acusaram o ministro de pretender decretar o fim da Operação Lava-Jato porque "interesses poderosos sem dúvida são contrariados" e ainda que "são lançadas à Lava Jato e ao procurador diretivas vagas e acusações vazias de pretensos abusos que raramente são especificados e que não são confirmados por qualquer instância do Poder Judiciário". O que parece mais ter afetado os magistrados, no entanto, foi a declaração de Gilmar de que vários juízes de instância inferior ganham até R$ 100 mil por mês, burlando o teto constitucional de R$ 33,7 mil, especialmente com a afirmativa de que "cada um faz seu pequeno assalto". Isso lembra aquela declaração bombástica da ministra Eliana Calmon, hoje aposentada, segundo a qual "o Judiciário está cheio de bandidos de toga".
Na realidade, tudo o que o ministro Gilmar Mendes falou já vem sendo denunciado há tempos, sem que os organismos superiores da Justiça e do Ministério Público tenham tomado até agora qualquer medida para conter os excessos de juízes e procuradores. Resultado: como toda impunidade incentiva o crime, os responsáveis pelos abusos foram se sentindo a cada dia mais fortes, especialmente o juiz Sergio Moro, que já afronta até o Supremo, não apenas desrespeitando suas determinações como, também, investigando alguns dos seus membros. Transformado em mega-star pela mídia golpista, o magistrado é hoje temido até pela mais alta Corte de Justiça do país. Resta saber, agora, se depois da grita do ministro Gilmar Mendes vai continuar tudo como dantes. Para que haja mudanças é necessário que respondam pelo menos às seguintes perguntas: O Ministério Público vai abrir investigações para descobrir o autor dos vazamentos? O ministro Dias Toffoli vai processar a revista "Veja"? Por que não querem as delações da OAS e da Odebrecht? Gilmar vai ficar só nas palavras ou vai tomar medidas concretas contra os abusos?



 
INÍCIO 

O novo parceiro da Máfia da Merenda




https://www.oximity.com/article/O-novo-parceiro-da-M%C3%A1fia-da-Meren-1?utm_campaign=it&utm_source=it-5-folDig&utm_medium=email

Segundo um relatório de janeiro da Polícia Civil, no inquérito da Operação Alba Branca que investiga o esquema de fraudes em licitações da merenda escolar instalado em pelo menos 35 prefeituras e que envolvia também contratos da Secretaria da Educação do governo golpista de Alckmin, o Deputado que é candidato a prefeitura de São Paulo, Celso Russomanno (PRB/SP), é citado, mas não está sofrendo investigação - o que deveria - pois tem passagem privilegiada pelo STF.
Mesmo mostrando em citação a proximidade de Russamanno com dois principais agentes da estrutura criminosa - que tinha base no município de Bebedouro, interior de São Paulo - de Alba Branca: César Augusto Lopes Bertholino, o ‘Marrelo’, e Cássio Chebabi. Em uma conversa grampeada, os dois trocam informações sobre um novo parceiro, no caso, Russomanno, e afirmam até que um jantar estava na agenda dessa nova parceria. Ainda na conversa, Russomanno diz que vai dar para Leonel Júlio, ex-deputado e pai do lobista da quadrilha da merenda duas Secretarias, ‘Marrelo’ diz que está tudo esquematizado.
A investigação aponta para o suposto envolvimento do presidente da Assembleia Legislativa de São Paulo, deputado Fernando Capez (PSDB). Ele teria sido contemplado com propina de cerca de R$ 400 mil para sua campanha em 2014, mas ele nega tudo, sempre.
A base da organização criminosa ficava no município onde também residia a COAF, que se infiltrou nas administrações municipais para corromper gestores e servidores públicos – as prefeituras compravam produtos da COAF já que a lei diz que eles precisam usar 30% dos fundos recebidos do Fundo Nacional, para o FNDE.
Alba Branca mostra que Marcel Júlio filho de Leonel Júlio, era o principal lobista dessa barbárie, os dois foram presos, mas ficaram apenas alguns míseros dias detidos, o que não tem fundamento.
Foi encontrada pela polícia Civil uma troca de mensagens do dia 16 de Julho do ano passado, sobre o tal jantar, em que aconteceria a oficialização da parceria do deputado Russomanno, Marrelo e Chebabi.
Marrelo: "Tô indo lá pro Mané, vamos jantar com Celso Russomanno. Eu e o Marcel. Marcamos às 9 horas".Chebabi: “Novo parceiro.”Marrelo: "Opaa. O Marcel já tinha conversado com ele. E falado da Coaf prá ele".Chebabi: "Tá forte prá prefeitura".Marrelo: "Ele foi pedir apoio pro Leonel".
Chebabi: "Ele é PR".
Marrelo: "PRB. Universal".
Chebabi: "Cola".
‘Marrelo’: "Tá com dindim prá gastar. Vai dar duas secretarias pro Leonel. Se ele vier a ser prefeito de SP. Já tá acordado".

Russomanno mostra indignação quando o perguntam sobre a Máfia da Merenda, e ainda tem a cara de pau de afirmar que não sabe nem quem são os dois chefões da organização criminosa.
"Faço questão de ir a fundo nessa investigação para saber a mando de quem, ou de qual partido estão tentando sujar o meu nome".
Quer dizer então, deputado, que você quer entrar pra máfia, mas não tem carão de assumir que está diretamente envolvido com ela. Estamos de olho.


INÍCIO
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...